Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2009

Outra forma de praticar o crime em Portugal: com meiguice

Muito se tem falado em criminalidade violenta nos tempos. Muita gente até já se questionou se o crime por si só não é uma coisa violenta e que aleije o suficiente. É sim meus meninos, mas o que vocês não sabem é que as autoridades usam o termo "crimes violentos" para o diferenciar da outra modalidade do crime praticada em Portugal: os crimes meiguinhos.

Passo a explicar: no crime praticado em Portugal há duas categorias: a violenta e a meiguinha. E como a primeira tem vindo a ganhar muito protagonismo face à segunda, o Hemiciclo, que é amigo dos pequeninos, resolveu entrevistar José Alberto, um praticante de crimes meiguinhos, considerado por muitos como o último gentleman do crime
português, para que vocês possam ficar familiarizados com esta forma muito mais fofinha de praticar o crime. Então cá vai:
Hemiciclo: Boa tarde José Alberto, o que é isto do crime meiguinho?
José Alberto: Olhe, o crime meiguinho é mais que uma forma de praticar o crime, é uma maneira de estar na vida. Só quem pratica a crimomeiguice entende do que falo. Isto não é só roubar e tal, é uma coisa séria e que tem que ser encarada como tal.
 Mas, José Alberto, não me respondeu à pergunta...
 Lá está! Você pratica crimomeiguice? Não, pois não? É óbvio que não entenda do que lhe falo.
Mas então no que consiste a crimomeiguice? Quais as diferenças em relação ao crime violento?
Olhe, eu nem queria falar nessa bandidagem, que isso é malta que só vem desprestigiar a prática criminosa que se pratica em Portugal, que  como já lhe disse é uma coisa séria e muito bonita.
Se o José Alberto é um criminoso meiguinho eu não sei, mas que foge muito bem às perguntas, lá isso foge...
É do hábito. Sabe que isto de ter que estar sempre a fugir à polícia torna-nos em pessoas esquivas e fugídias.
No que consiste então a crimomeiguice?
É muito simples: a regra de ouro da crimomeiguice é a boa educação. Para se praticar o crime meiguinho há que ser bem-educadinho e usar muitos diminutivos, as pessoas gostam disso, se não conseguir fazer isso nem vale a pena tentar enveredar por esta vida.
Pode exemplificar?
Com certeza! Olhe, ainda na semana passada assaltei uma senhora que estava a entrar no seu carro, no estacionamento de um centro comercial e como é que acha que eu a abordei? Aos gritos? Com uma pistola apontada à cabeça? Claro que não! Isso é para os brutos do crime violento! Cheguei ao pé dela e disse-lhe: "Muito boa tarde, será que a senhora se importava muito que eu a furtasse e lhe ficasse com o carrinho e quiçá, com um ou outro objectozinho de valor que possa ter em sua posse? Ficava-lhe muito agradecidozinho se me fizesse esse obséquiozinho. Isto se não tiver nada combinado para agora." É claro que ao princípio a senhora assustou-se, mas depois cooperou comigo.
Mas assim? Sem ameaças?
Com certeza! A regra n.º 2 da crimomeiguice é não ameaçar a vítima em circunstância alguma. É claro que temos as nossas armas, mas é mesmo só para assustar. Normalmente até ofereço uma rosa às senhoras e um par de peúgas com losangos aos senhores.Orgulho-me de em 25 anos de carreira nunca ter disparado um tiro, a bem dizer, mesmo que o quisesse fazer  não sabia como, mas isso não interessa nada. Outra regra-chave é tratar bem as pessoas. Neste assalto que lhe falei, por exemplo, até fiz questão de deixar a senhora à porta de sua casa e só depois lhe fiquei com a viatura e com 200 Euros e mais umas jóias valiosas. E no fim, ainda me agradeceu pela boleia. E se a casa das vítimas for a alguma distância, deixo-lhes sempre dinheiro para o Táxi. Esta nem é por simpatia para com as vítimas, mas sim para ajudar os taxistas que se nós, ladrões, não nos ajudarmos mutuamente, ninguém o vai fazer por nós.
Pois...e o que acha desta vaga de crimes violentos?
Já lhe disse que disso não falo! Você é chato pá!!!!
Mas diga lá.
Olhe que o amigo já me está a tirar do sério!!!!
Então mas e a boa educação e tudo isso?
Mau Maria, que o gato já mia. Não me arrelie!!
Afinal o José Alberto não é assim meiguinho quanto... -"POW!!POW!!!POW!!!!" (disparos) - ...issoooo...
É lá, que afinal isto sempre funciona e eu a pensar que o Cajó me tinha vendido uma réplica...então e agora? Já não fazes perguntas pois não? Toma lá que é para aprenderes a não ser chato! Olha-me este! A pensar que troçava com a crimomeiguice! Isto é uma coisa muito séria meu menino! Não se brinca! Mas já agora, porque sou bem-educado, vou levá-lo ao hospital que a coisa parece estar feia para o seu lado...esse osso da clavícula à vista e o pulmãozito perfurado...hummm...isso é coisa para dar em chatice...
Nota: entendam por crime violento os assaltos com à mão armada e coiso e tal. Os políticos não são chamados para este caso.
Escrito por: João Cacelas às 10:18
Ligação directa | Comentar | Os que já comentaram (10) | favorito
|
Sábado, 2 de Maio de 2009

A manifestação do Primeiro do Maio e uma das provas do porquê de sermos tão pequeninos

O 1º de Maio ficou marcado por duas coisas: a primeira foi o facto de ter sido à sexta-feira e assim o bom do português lá pôde voltar a ter mais um fim-de-semana prologado e a segunda foram as agressões a Vital Moreira, o cabeça de lista do PS às Europeias. Como é que os tipos que estão numa manifestação em defesa da democracia não permitem que o senhor Vital Moreira esteja na mesma rua que eles e que vá cumprimentar os dirigentes da CGTP? É isso que é ser democrático? É que se for, tenho que rever as minhas ideias sobre o termo democracia...

Mas nem tudo foi mau pois parece que também havia manifestantes com bom senso, como comprova esta peça do jornal Público.

Nota: Uma coisa é manifestarmo-nos, comentar, dar a nossa opinião em blogs, jornais, telejornais, etc. Outra coisa completamente diferente é agredir o homem só porque ele tem outros ideais políticos. Também não sou fã do senhor, nem de Sócrates, nem de Durão Barroso mas daí a dar-lhes "tau-tau" vai uma grande distância. Isto não é democracia meus amigos. Lembro-me perfeitamente de um ou dois tipos que usavam ou usam a violência sobre quem tem ideias políticas diferentes das suas. Assim de repente, um chamava-se Hitler e o outro chama-se Robert Mugabe. E que eu saiba a democracia nunca foi o forte deles. E o Vital até é de esquerda. Nem quero imaginar o que teria acontecido se fosse um tipo do PSD ou do PP. Parece-me que nós, portugueses, conseguimos fazer muito melhor que isto, não acham?

Escrito por: João Cacelas às 16:49
Ligação directa | Comentar | Os que já comentaram (8) | favorito
|
Terça-feira, 7 de Abril de 2009

Uma espécie de reposição (à boa maneira da tv portuguesa)

 Viva, como não me apetece escrever nada de momento (não é bem não apetecer não há é nada de novo que valha a pena escrever), deixo-vos com um post que foi escrito no dia 3 de Abril de 2008 e que continua muito actual e visto que muitos de vocês ainda não conheciam o estaminé, não devem ter lido este texto que já é tão antigo que ainda é do tempo em que o Hemiciclo ostentava o belo e lindo nome de Tudo o que queria saber sobre electrodomésticos, Freud, parvoíces e seus parente(se)s. Enjoy:

 

Conversa entre pai e filho

O tema da violência nas escolas tem sido nas últimas semanas, debatido até à náusea. Já cheira mal o raio do tema. Vamos debatê-lo mais um pouco? Até ficar com aquele inconfundível aroma a náusea fresquinha? Vamos? Ok.
Fala-se que os meninos têm problemas em casa, que os pais não lhes dão uma boa educação, que não lhes impõem limites, que isto e aquilo e mais o camandro e que depois descarregam a sua fúria na sala de aula, de preferência num dos olhos do professor, ou nas costelas. Mentira pura. Excepto, claro está na parte de partir costelas e esmurrar olhos, aí é bem verdade e ainda se podia incluir mais "miminhos" na lista.
O "Tudo o que queria saber sobre electrodomésticos, Freud, parvoíces e parente(se)s", tem na sua posse uma conversa entre um pai e um filho, que vai provar exactamente onde eu quero chegar. Um grande momento de jornalismo, só ao alcance dos mais prestigiados meios de informação internacionais, que para quem não sabe são o 24 Horas, O Diabo, O Crime, O Tal & Qual e o Telejornal da TVI. Então cá vai:
Filho: Paizinho, tenho andado aqui a pensar numa coisa...
Pai: Diz filhote, o que se passa nessa tua pequena e por vezes confusa cabeçita? Conta ao paizinho, que pode ser que te possa ajudar!

Escrito por: João Cacelas às 15:22
Ligação directa | Comentar | Os que já comentaram (2) | favorito
|
Terça-feira, 17 de Março de 2009

Mais uma Whitney Houston a nascer

A cantora Rhianna que recentemente andou nas luzes da ribalta por ter sido espancada brutalmente pelo namorado, um rapaz que também canta (não me perguntem o quê, que eu não faço a mínima ideia) e que passado uma semana anunciou o casamento com o seu "amor" quer protagonizar o remake do filme " O Guarda-Costas", cujo original foi rodado em 1992 sabem por quem? Por Whitney Houston...

É impressão minha ou estamos aqui a começar a identificar um certo padrão? Teremos uma nova Whitney Houston a nascer?

E isso não é necessariamente bom...basta lembrar que tal como Rhianna, Whitney Houston amava muito o seu marido que também a "amava" muito, embora o demonstrasse através de carinhosos murros e pontapés, pedindo sempre desculpa no fim, com lindas declarações de amor. E daí às drogas, álcool e carreira em risco foi um tirinho.

E pronto, foi a primeira e última vez que se escreveu sobre Rhianna no Hemiciclo.

Escrito por: João Cacelas às 09:15
Ligação directa | Comentar | Os que já comentaram (20) | favorito
|
Sexta-feira, 7 de Novembro de 2008

Ser português (12)

é viver num país onde um professor é brutalmente agredido por um pai de um aluno apenas porque este repreendeu o seu petiz.

Escrito por: João Cacelas às 17:49
Ligação directa | Comentar | Os que já comentaram (17) | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Julho de 2008

Ciganos reunem-se...

Membros da comunidade cigana do Bairro da Quinta da Fonte, em Loures, reuniram-se com a autarquia daquela localidade de modo a arranjarem uma solução que seja mais segura para os ciganos, que têm sido vítimas de actos xenófobos e muito violentos por parte de alguns grupos do Bairro.

Acho muito bem, mas eu se fosse cigano não esperava grande coisa, porque mais ciganos que eles são os políticos, de maneiras que...são capazes de não ter muita sorte...

 

P.S.: Não tenho qualquer tipo de repúdio pelos ciganos a sério, já os "ciganos" políticos repudiam-me um bocadinho.

Escrito por: João Cacelas às 14:49
Ligação directa | Comentar | Os que já comentaram (15) | favorito
|

.Os oradores:

.Translator (para coisinhos de outros países e planetas)

.Abril 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.Caso queira pesquisar sobre coisas, assuntos ou temas:

 

.Intervenções mais velhotas, assim a cheirar a mofo:

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.Intervenções recentes:

. Outra forma de praticar o...

. A manifestação do Primeir...

. Uma espécie de reposição ...

. Mais uma Whitney Houston ...

. Ser português (12)

. Ciganos reunem-se...

.tags

. todas as tags

.Cuscas e cuscos (ladies first)

Counters
Counters
Creative Commons License
O Hemiciclo by João Cacelas is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a Obras Derivadas 2.5 Portugal License.

.O meu e-mail, ou melhor emel. Caso queiram deixar alguma sugestão ou crítica, enviem para aqui:

joao_cacelas@hotmail.com

.subscrever feeds